Encontro Com a Palavra

A Profecia de Habacuque

Pr. Dick Woodward      quarta-feira, 7 de junho de 2017

Compartilhe esta página com seus amigos

Aqueles que não estão familiarizados com o livro de Habacuque podem achar que ele foi um profeta de muitas perguntas e poucas respostas. Pode também parecer que ele foi uma pessoa cheia de dúvidas.

Nos três breves capítulos do seu livro, ele clama a Deus repetidas vezes com seus “porquês”. Justamente por esse motivo, alguns estudiosos chamam Habacuque de “O Profeta Agnóstico”.

Uma pessoa agnóstica não acredita em nada daquilo que diz respeito ao conhecimento de Deus. O agnóstico diz: “Eu não sei; você não sabe e ninguém mais sabe. Vale a pena refletir sobre isso!”.

A pergunta que eu faria para um agnóstico seria: “Se é impossível saber, como você sabe que não pode saber?”

Nesse estudo dos profetas, dissemos que eles eram homens que tinham diferentes modos de vida, e que foram chamados para o ofício de profeta.

Aprendemos nos Livros Históricos do Velho Testamento que Davi nomeou quatro mil sacerdotes para se dedicarem exclusivamente ao louvor e à adoração ao Senhor com os instrumentos musicais confeccionados por ele próprio. (I Crônicas 23:5)

Esses levitas, que eram ministros de adoração através da música, compuseram muitos salmos para o louvor a Deus. Habacuque foi um desses músicos levitas.

Nos dias de hoje eles seriam chamados de ministros de música ou ministros de louvor.

A Torre de Vigia de Habacuque

Dizem que “pregadores sempre coçam onde não está coçando e respondem perguntas que ninguém perguntou”. Talvez isso se aplique a muitos pregadores.

Talvez muitos de nós devêssemos nos confessar culpados dessa acusação, porque há muitas evidências dessa culpa para nos incriminar.

Entretanto, isso não se aplica a Habacuque e o leitor vai entender porquê.

Habacuque foi contemporâneo de Jeremias e tinha conhecimento de como Jeremias estava sendo tratado.

Ele deve ter pensado: “Se o povo de Judá trata assim Jeremias, que é um profeta tão importante, o que poderá fazer comigo, um simples ministro de música, quando anunciar a mensagem de Deus para eles?”

Mas Habacuque arquitetou uma forma bem criativa para anunciar sua profecia, atrair a atenção do povo e preparar os habitantes de Judá para receber a Palavra de Deus.

Quando Habacuque começou a questionar Deus, o fez com as perguntas que estavam no coração do povo.

O povo de Judá, habitante da cidade de Jerusalém, vivia a expectativa da chegada dos exércitos babilônios.

Os homens das torres de vigia da cidade estavam posicionados, prontos para anunciar qualquer sinal ou som que indicasse a aproximação daquele temido exército.

No seu discurso, Habacuque anunciou que construiria uma “torre de vigia” espiritual. Ele se posicionaria nessa torre e de lá faria todas as suas perguntas para Deus.

Na verdade, suas perguntas eram as mesmas que o povo queria fazer. Ele vigiaria, ouviria e esperaria pelas respostas de Deus, que seriam para ele e para o povo.

Imaginemos o povo encorajando Habacuque a ir para sua “torre de vigia” e fazer todas as perguntas que pesavam no coração de toda aquela gente.

Então Habacuque, de sua torre de vigia, perguntou a Deus, por que Ele estava usando a Babilônia, uma nação ímpia, para destruir o povo que Ele mesmo escolhera:

“Senhor, tu não és desde a eternidade? Meu Deus, meu Santo, tu não morrerás. Senhor, tu designaste essa nação para executar juízo; ó Rocha, determinaste a ela que aplicasse castigo.

Teus olhos são tão puros, que não suportam ver o mal; não podes tolerar a maldade. Por que toleras então esses perversos? Por que ficas calado enquanto os ímpios engolem os que são mais justos do que eles?” (1:12,13)

Tanto Habacuque como o restante do povo tinha consciência de que Deus estava usando os babilônios para punir Judá pelos seus pecados.

Mas era difícil compreender porque Deus usava uma nação tão ímpia para repreender o Seu povo. Afinal, a impiedade dos babilônios excedia a iniqüidade do povo de Judá.

Esse era o contexto no qual Habacuque vivia quando colocou diante de Deus as questões que pesavam no seu coração e no coração do povo por causa da eminente invasão da Babilônia.

Habacuque estava vigiando, ouvindo e aguardando as respostas que Deus daria a suas perguntas. Por isso ele anunciou:

“Ficarei no meu posto de sentinela e tomarei posição sobre a muralha; aguardarei para ver o que ele me dirá e que resposta terei à minha queixa.” (2:1)

Encontro Com a Palavra é um estudo escrito pelo Dr. Dick Woodward e narrado na voz do Pastor Edson Bruno.

Comentários

Siga-nos nas Redes Sociais e fique por dentro de todas as novidades...

Cadastre-se gratuitamente nos cursos do Ecncontro Com a Palavra

 

Clique no link abaixo e faça seu cadastro agora mesmo!

Últimos Artigos

A Graça de Dar

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

A Transcendência do Ministro

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

A Transparência do Ministro

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

A Tarefa do Ministro

segunda-feira, 2 de novembro de 2020