Encontro Com a Palavra

Autoridade e Origem da Bíblia

Pr. Dick Woodward      terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Compartilhe esta página com seus amigos

Autoridade

 Quem escreveu os livros da Bíblia?

Quando? e Onde?

Em que línguas eles foram escritos? Existe ainda algum manuscrito original?

Quem decidiu que livros fariam parte da Bíblia e quem a organizou dessa forma que conhecemos hoje?

Quando se começa a estudar a Bíblia, também começam a surgir essas perguntas.

Vamos, em primeiro lugar, considerar a autoridade da Bíblia.

Como já dissemos, quem a escreveu foi Deus, através de homens, dos quais vamos falar mais tarde. Antes precisamos entender o significado de dois termos referentes à autoria divina desses livros.

O primeiro termo é “revelação”. A palavra Revelação é um termo genérico que abrange todas as formas usadas por Deus para revelar verdades ao homem, seja através da natureza, dos profetas, do Espírito Santo ou de muitas outras diferentes maneiras.

O segundo termo é “inspiração”. Esse termo se refere a que os teólogos chamam de

“Revelação Especial”. A Bíblia é a revelação especial de Deus, com começo, meio e fim.

Durante aproximadamente mil e seiscentos anos Deus conduziu homens a escrever esses livros. Depois que foram escritas as últimas palavras do livro do Apocalipse, cessou essa “Revelação Especial” ou essa “inspiração”. Com essa finalidade ela não acontece mais.

Agora que já sabemos que foi Deus quem escreveu os livros da Bíblia, vamos falar dos homens que foram usados para escrevê-los.

Deus usou reis, pescadores, pastores, generais e sacerdotes.

Nesse grupo de escritores encontramos também um catador de figos, um médico, um publicano; enfim, uma variedade de tipos humanos.

 Origem

Quem decidiu quais eram os escritos que deveriam ser incluídos na Bíblia e quando ocorreu essa inclusão?

Por volta do ano 100 d.C. no Concílio Judaico de Jamnia, o Velho Testamento foi oficialmente compilado, apesar de já estar sendo usado há três ou quatro séculos. No processo de compilação da Bíblia, foram consideradas a confiabilidade dos autores humanos e sua boa reputação.

A maioria dos livros do Velho Testamento foi escrita em hebraico; e do Novo Testamento em grego, e foram selecionados e compilados por volta do ano 692 d.C., no Sínodo de Trullan. Essa seleção foi chamada de canonização e obedeceu a três critérios:

  1. O escritor foi um apóstolo ou alguém que conviveu e trabalhou com um apóstolo.
  2. O livro possui conteúdo espiritual ou devocional que transmite graça àquele que o lê.
  3. O conteúdo de cada livro selecionado está de acordo com o conteúdo dos demais livros inspirados, e as igrejas são unânimes quanto à inspiração desses livros.

Outra pergunta: como tivemos acesso a livros escritos há tanto tempo? Eles foram bem preservados.

Não existe nenhum manuscrito original. Papel não resiste a tanto tempo. Mas existem cópias de muita confiabilidade. Em relação às traduções para as línguas modernas, vale acrescentar que elas têm sido feitas com muito cuidado.

Conclusão

Como podemos saber que a Bíblia é a Palavra inspirada de Deus?

Como podemos ter certeza de que a escolha dos livros foi correta, que não houve erros nas cópias nem nas traduções?

Há apenas uma maneira de saber e Jesus disse qual é: “Se alguém quiser fazer a vontade dele (Deus), conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se falo por mim mesmo” (João 7:17).

O seu coração dirá!

Quando se busca a Palavra de Deus com desejo de fazer o que ela ensina, isso faz toda diferença e tem-se a convicção de que estamos diante da Palavra de Deus.

Encontro Com a Palavra é um estudo escrito pelo Dr. Dick Woodward e narrado na voz do pastor Edson Bruno, ouça e descubra verdades que lhe ajudarão no seu dia a dia.

Comentários

Siga-nos nas Redes Sociais e fique por dentro de todas as novidades...


Últimos Artigos

Memórias de Milagres

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Filhos em Crescimento

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Modelo Para um Esgotamento Nervoso

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Alegorias Impressionantes

segunda-feira, 3 de junho de 2019