Encontro Com a Palavra

Credenciais e A Entrada Triunfal

Pr. Dick Woodward      sábado, 22 de julho de 2017

Compartilhe esta página com seus amigos

Uma Parábola Sobre Credenciais

(Mateus 21:2328-31)

Na minha opinião essa é uma das parábolas mais fascinantes de Jesus.

Quando Deus se tornou Homem e veio ao mundo, cujo sistema supervaloriza títulos e credenciais, Ele não tinha credencial nenhuma, mas tinha atitudes.

Uma das diferenças mais marcantes entre Jesus e os fariseus é que Ele valorizava as atitudes das pessoas e ignorava o título que a pessoa ostentava.

Jesus e os fariseus tinham prioridades opostas. Esse ponto de divergência é a essência dessa parábola.

Os dois filhos dessa parábola disseram uma coisa e fizeram outra.

O título de filhos que eles tinham, não teve muito valor, mas sim o que fizeram; e essa foi a credencial que teve peso.

O entendimento dos líderes religiosos era que Jesus e João Batista não tinham as credenciais que o mundo religioso daquele tempo reconhecia.

Seus títulos não os identificavam como filhos de Deus que trabalhavam na Sua vinha; mas, em relação à atitude, Jesus e João Batista estavam trabalhando na vinha e estavam fazendo a obra do Pai.

Por outro lado, os líderes religiosos possuíam títulos, mas não tinham atitudes.

Por causa das suas vestimentas e de todo aparato que usavam, eles se consideravam filhos de Deus e trabalhadores da vinha de Deus.

No entanto, com base nas suas atitudes, eles não estavam na vinha do Pai e não estavam fazendo a obra do Pai.

Quando eles pediram as credenciais de Jesus, Jesus respondeu que a Sua performance era Sua credencial.

Por isso, enquanto não percebemos que não é o título, mas nossas atitudes que têm valor como credenciais, estaremos enganando a nós mesmos.

A Parábola da Entrada Triunfal de Jesus em Jerusalém

(Mateus 21:33-46)

Milhões de pessoas sabem que Jesus entrou em Jerusalém montado num jumentinho num dia que posteriormente ficou conhecido como “domingo de palmas”.

Você já leu sobre o que Jesus fez quando desceu do jumento?

Ele amaldiçoou a figueira, purificou o templo, e fez com que os líderes religiosos chegassem ao máximo da hostilidade contra Ele.

A parábola que comentaremos a seguir é uma ilustração de Deus (o dono da vinha) enviando Seus profetas (os servos) para receber os frutos do reino.

Depois que esses servos foram maltratados, o filho do proprietário foi enviado para receber o fruto da vinha.

O proprietário da vinha acreditava que eles respeitariam seu filho, mas eles o mataram!

Está claro que o filho, nessa parábola representa Jesus, a quem os líderes religiosos naquele momento, já planejavam matar.

Algumas das palavras mais duras proferidas por Jesus estão registradas na conclusão desse capítulo, quando referiu-se aos líderes religiosos judeus usando uma metáfora.

Jesus usou essa parábola para advertir aqueles líderes que, por eles não estarem dando frutos, o reino lhes seria tirado e seria dado ao um povo que produzisse frutos para o reino.

Nos capítulos 10 e 11 do livro de Atos lemos sobre o cumprimento dessa palavra.

O ensino da parábola é: como o povo de Deus recusou cair sobre a pedra do compromisso com Cristo e experimentar o quebrantamento produzido por Ele, mais tarde a Pedra cairia sobre aquele povo, reduzindo-o a pó.

Nas Escrituras a figueira representa Israel e quando relacionamos a metáfora do final desse capítulo, onde Jesus amaldiçoa a figueira, entendemos que Ele está dizendo aos líderes religiosos de Israel que Seu Pai está fazendo a mesma coisa que fez com o povo hebreu no deserto.

Podemos, inclusive, relacionar o capítulo 14 de Livro de Números com essa parábola.

Quando o povo caminhou pelo deserto, Deus foi paciente e provou dez vezes quem Ele era. Por fim declarou que por causa da incredulidade, muitos morreriam no deserto e não tomariam posse da Terra Prometida.

Naquele Domingo de Palmas, Jesus “destituiu” os líderes religiosos judeus da sua posição de honra e pompa dentro de Jerusalém.

Essa parábola da entrada triunfal de Jesus tem sido cumprida muitas vezes em toda a história da igreja.

É como se Deus, de tempos em tempos, removesse o seu “quartel general” para uma parte do mundo onde Sua Igreja esteja produzindo frutos para o Seu reino.

Como Estudar as Parábolas de Jesus

Existem 47 parábolas nos três Evangelhos sinópticos. Aqui foram selecionados alguns exemplos para mostrar uma parte importante do ensino de Jesus no Evangelho de Mateus.

Mas ainda há muito o que descobrir com um estudo mais profundo dessas parábolas.

Para que você faça esse estudo, considere algumas das minhas sugestões: lembre-se que uma parábola é uma estória que um professor joga junto com uma verdade que ele quer ensinar.

Por isso, devemos procurar descobrir qual é a verdade central de cada parábola.

Jesus foi o mestre absoluto nesse tipo de abordagem.

É importante que você conheça o contexto de cada parábola. Por isso, faça sempre as seguintes perguntas:

  • Qual foi o contexto no qual essa parábola foi pronunciada?
  • Quando isso aconteceu?
  • Em que circunstância aconteceu?
  • Qual foi a interação com o povo que levou Jesus a pronunciar essa parábola?
  • A quem ela foi dirigida?
  • Qual foi o objetivo de Jesus ao proferir essa parábola?
  • Que verdade estava ligada a essa parábola?

Aceite a interpretação que Jesus der a parábola, se estiver registrada, ou seja humilde na hora de fazer sua própria interpretação.

Uma parábola pode ter uma só interpretação, mas possui várias aplicações. Por isso, sempre pergunte:

“Qual aplicação Deus quer que eu faça para minha vida, minha família ou minha igreja?

Encontro Com a Palavra é um estudo escrito pelo Dr. Dick Woodward e narrado na voz do Pastor Edson Bruno.

Comentários

Siga-nos nas Redes Sociais e fique por dentro de todas as novidades...

Últimos Artigos

A Essência do Movimento Carismático

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

A Função da Unção

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Tudo Para Todos

segunda-feira, 12 de outubro de 2020

O Manual do Casamento

segunda-feira, 5 de outubro de 2020