Encontro Com a Palavra

O Evangelho de João

Pr. Dick Woodward      sábado, 5 de agosto de 2017

Compartilhe esta página com seus amigos

O Evangelho de João é o preferido da maioria das pessoas, e tem sido usado por Deus para que muitos alcancem à fé em Cristo.

Nos seus vinte e um capítulos, João faz uso de uma argumentação sistemática com o único objetivo, apresentar Jesus Cristo.

O apóstolo João, o autor deste Evangelho, é o mesmo homem que escreveu o Livro do Apocalipse.

Se você conhece um pouco o último livro da Bíblia, já tem uma idéia do estilo do escritor deste Evangelho.

João iniciou o Livro do Apocalipse escrevendo: “Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos o que em breve há de acontecer. Ele enviou o seu anjo para torná-la conhecida ao seu servo João”. (Apocalipse 1:1)

João foi notificado ou comunicado a respeito das profecias através de uma linda “linguagem de sinais” bíblica.

O apóstolo Paulo escreveu que o Evangelho é loucura para os gregos que buscavam a intelectualidade enquanto os judeus “pediam um sinal”.

Paulo se referiu assim aos judeus, porque eles sempre pediam sinais que provassem que Deus estava com eles e que os guiava. (Mateus 12:38-42)

Todo o Livro do Apocalipse é inspirado, muito profundo e escrito na linguagem de sinais hebraica.

Apesar da linguagem de sinais não ser muito clara, João usou esta mesma forma literária em seu Evangelho.

Chaves Para o Evangelho de João

João escreveu estes dois livros inspirados para o Novo Testamento, o Evangelho de João e o Apocalipse.

Nos dois livros ele escreve para o povo de Deus numa espécie de código inspirado.

Para entender suas mensagens, o leitor precisa de “chaves que revelem o código”.

Veremos a seguir algumas dessas “chaves” que nos ajudarão a “revelar o código” da linguagem de sinais que João usa neste Evangelho.

A primeira chave para compreender este Evangelho é saber que noventa por cento do seu conteúdo não aparece nos três primeiros Evangelhos.

Quando lemos o Evangelho de João devemos observar que ele tinha uma perspectiva sobre a vida de Cristo que não está presente nos Livros de Mateus, Marcos e Lucas.

A segunda chave que nos ajudará a revelar o código da mensagem deste Evangelho é perceber que ele é o único livro da Bíblia dirigido especificamente para o incrédulo, visando levá-lo à fé e à vida eterna.

O apóstolo Paulo escreveu que o propósito de toda Bíblia é que “o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra”. (II Timóteo 3:17)

A Bíblia, portanto, na sua maior parte, não é dirigida ao incrédulo, mas ao que crê.

Em toda a Bíblia Deus tem apenas uma mensagem para o incrédulo: a mensagem de arrependimento e fé no Evangelho.

Mas quando um incrédulo se arrepende e crê, Deus oferece sessenta e seis livros inspirados, repletos de verdades, porque Deus quer que o crente esteja equipado para toda boa obra que deve ser executada através da sua vida.

A vontade de Deus é que todo incrédulo tornese um crente, cresça espiritualmente e seja edificado para executar a obra para a qual foi recriado. (Efésios 2:10 e 4:12)

O Evangelho de João consiste nessa mensagem de Deus para o incrédulo e serve como um pré-requisito para tudo o que Deus quer falar nos outros sessenta e cinco livros da Bíblia.

João conta porque escreveu este Evangelho: “Jesus realizou na presença dos seus discípulos muitos outros sinais miraculosos, que não estão registrados neste livro.

Mas estes foram escritos para que vocês creiam que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus e, crendo, tenham vida em seu nome..” (João 20:30-31)

Outra chave para compreender o Evangelho de João é observar que este Evangelho apresenta uma argumentação teológica sobre Jesus.

Os primeiros Evangelhos apresentam as estratégias dos ministérios de Jesus.

Mas a argumentação lógica e sistemática de João nos vinte e um capítulos do seu Evangelho segue outra linha muito consistente.

Mateus apresentou Jesus como o Rei do reino dos céus; Marcos O apresentou como O Servo e Filho do Homem; Lucas enfatizou o lado humano de Jesus. eJoão basicamente disse que Jesus é Deus.

O argumento sistemático de João é que Jesus é o Cristo, o Messias prometido, o Filho de Deus.

Podemos fazer um traçado desta verdade desde o primeiro capítulo do Evangelho de João, até o último, e observar que em todos os capítulos, continuamente João enfatiza seu argumento básico: Jesus de Nazaré é o Cristo, o Filho de Deus e o Salvador do mundo.

Jesus Cristo não tinha dois nomes, como por exemplo, “João Luiz”. O Seu nome é Jesus; Cristo é o Seu título.

Quando nos referimos a Ele como “Jesus Cristo”, estamos dizendo que Jesus, o histórico Jesus de Nazaré, é o Cristo.

A palavra grega “Cristo” em hebraico significa “Messias”.

Quando João diz que Jesus é o Cristo, ele está dizendo que o Jesus do Novo Testamento é o Messias profetizado e prometido no Velho Testamento.

Na sua primeira carta no final do Novo Testamento, o apóstolo João escreve que a doutrina básica da Igreja do Novo Testamento é que “Jesus é o Cristo” (I João 2:22 e 5:1)

O argumento de João nesses dois versículos é repetido sistematicamente em seu Evangelho.

As três primeiras chaves já são argumentos suficientes para o entendimento do Evangelho de João. Mas devemos ler os seus vinte e um capítulos procurando as respostas para essas três perguntas:

  1. Quem é Jesus?
  2. O que é fé?
  3. O que é vida?

João escreveu este Evangelho para relatar os sinais ou as evidências milagrosas que Jesus operou a fim de nos convencer de que a resposta para a primeira pergunta é: Jesus é o Cristo, o Messias, o Filho de Deus.

Capítulo após capítulo, João faz essa afirmação. Ele expressa esta verdade de diferentes maneiras no decorrer dos vinte e um capítulos.

Também em cada capítulo devemos procurar a resposta para a pergunta “o que é fé?”.

João afirmou que faria um relato sobre Jesus e que aqueles que cressem nessas verdades sobre Ele nasceriam de novo e receberiam vida eterna. (João 20: 30,311:12,13)

Em cada capítulo, além de nos desafiar a crer em seu argumento coeso e consistente sobre Jesus, João também nos mostra o que significa crer em Jesus pela fé.

Capitulo após capítulo, João também nos mostra o que ele considera que seja vida eterna.

Vida eterna não se refere simplesmente à quantidade de anos de vida, mas principalmente à qualidade de vida.

João registrou a afirmação de Jesus: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente.” (João 10:10)

Que tipo de vida plena é essa que Deus planejou para os homens?

Quando João define “vida eterna” ele refere-se a uma qualidade e uma quantidade eterna de vida.

A vida eterna é uma qualidade plena de vida que começa aqui e continua por toda a eternidade.

João afirma que essa qualidade de vida eterna não resulta do nosso nascimento físico, mas de outro tipo de nascimento, o nascimento que “vem do alto”, resultante de um segundo nascimento.

Em todo o Evangelho João não apenas fala, mas mostra o que é vida eterna.

À medida que você lê cada um dos capítulos, ore para encontrar a resposta para as perguntas: “quem é Jesus”, “o que é fé” e “o que é vida?”.

Observe que João sempre apresentará respostas bem profundas para essas três perguntas, em cada um dos capítulos do seu Evangelho.

Encontro Com a Palavra é um estudo escrito pelo Dr. Dick Woodward e narrado na voz do Pastor Edson Bruno.

Comentários

Siga-nos nas Redes Sociais e fique por dentro de todas as novidades...

Cadastre-se gratuitamente nos cursos do Ecncontro Com a Palavra

 

Clique no link abaixo e faça seu cadastro agora mesmo!

Últimos Artigos

O Evangelho Absoluto

segunda-feira, 30 de novembro de 2020

A Graça de Dar

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

A Transcendência do Ministro

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

A Transparência do Ministro

segunda-feira, 9 de novembro de 2020