Encontro Com a Palavra

Os Frutos do Espírito Santo

Pr. Dick Woodward      sábado, 7 de outubro de 2017

Compartilhe esta página com seus amigos

A Visão Interior

De acordo com Paulo, existem nove evidências do Espírito Santo quando Ele habita em nós.

Quando olhamos para o nosso interior descobrimos três evidências do Fruto do Espírito que são: amor, alegria e paz.

O amor sobre o qual Paulo fala é o amor ágape, descrito no capítulo 13 de I Coríntios.

Neste capítulo Paulo afirma que o amor é indestrutível porque é incondicional; é irresistível porque é inspirador para aqueles que são amados.

Esse amor vem de Deus.

Segundo Paulo, a alegria também é um fruto do Espírito em nossos corações.

A carta aos Filipenses escrita por Paulo é chamada a “Epístola da Alegria”. Ele a escreveu da prisão, mas cheio do Espírito Santo de Deus.

Você e eu também podemos ser cheios de alegria, não importando quais sejam as circunstâncias em que nos encontremos, porque o Espírito Santo vive em nós.

A dor e o sofrimento podem ser inevitáveis, mas com o Espírito Santo em nós, a infelicidade e a desgraça são opcionais.

O fruto do Espírito de que vamos falar a seguir é a paz.

Se temos o Espírito Santo, temos paz, mesmo em situações adversas.

Paulo fala em Filipenses 4:7 sobre esta paz: “... paz de Deus, que excede todo o entendimento”.

A Visão do Que Está ao Redor

O amor, a alegria e a paz do Espírito Santo nós enxergamos quando olhamos para dentro de nós mesmo.

Quando olhamos ao redor de nós vemos manifestadas longanimidade, benignidade, bondade e fidelidade.

Essas evidências do Espírito Santo em nós se manifestam na maneira como nos relacionamos com outras pessoas.

Se você não for uma pessoa naturalmente paciente, ou longânima, mas tem o Espírito Santo, Ele lhe dará a paciência que vem d’Ele.

A paciência, no nosso relacionamento com Deus, manifesta-se através de uma “fé em expectativa”; a paciência, no nosso relacionamento com outras pessoas, manifesta-se através do “amor em expectativa”.

Quantas vezes temos de esperar que Deus trabalhe na vida de nossos filhos.

É preciso ter o tipo de paciência sobrenatural que se manifesta através do amor que espera, amor que é fruto do Espírito.

Outro fruto do Espírito é benignidade.

Essa característica se manifesta na maneira como tratamos as pessoas.

A palavra usada no original grego sugere uma bondade para com todas as pessoas indiscriminadamente, como se elas fossem da nossa própria família.

Bondade é outro fruto do Espírito e manifesta-se no relacionamento com as pessoas que estão ao nosso redor.

O Novo Testamento em Atos 10:38 expressa que Jesus “andou por toda a parte, fazendo o bem”.

Não são as boas obras que salvam, mas não é errado ser bom, e fazer boas obras.

John Wesley disse: “faça sempre o bem onde você estiver, para quem você encontrar pela frente, da maneira que puder”.

Simplesmente faça o que é bom.

Longanimidade ou paciência, benignidade e bondade são fruto do fruto do Espírito que se manifestam quando olhamos ao nosso redor.

A Visão do Alto

Os três últimos frutos do Espírito são: fidelidade, mansidão e domínio próprio e se manifestam quando olhamos para cima, no nosso relacionamento com Deus.

Podemos usar a palavra “confiança” para explicar o significado de “fidelidade”.

Antes de nos convertermos, a maioria de nós não tem nenhuma disciplina.

Mas, quando o Espírito Santo vem habitar em nós, Ele nos faz disciplinados e responsáveis; Ele nos faz dignos de confiança.

A mansidão é outra manifestação do fruto do Espírito e não tem nada a ver com fraqueza.

Um cavalo selvagem, cheio de força e energia, é domado e treinado para receber sela e freios.

Ele não deixa de ser forte porque é domado.

Quando Saulo de Tarso encontrou-se com Jesus Cristo na estrada de Damasco ele se submeteu ao Senhor, aceitou os freio e a sela que o Senhor lhe colocou e se tornou manso.

Essa mansidão não é fraqueza; é uma força sob controle que se manifesta como fruto do Espírito Santo em nós.

A mansidão aceita o controle do Espírito Santo e do Cristo ressurreto.

O último fruto do Espírito é o domínio próprio.

O presidente de uma grande empresa que tinha muitos funcionários, disse-me certa vez: “algumas pessoas são como rodas, só trabalham se forem empurradas; outras são como vagões, têm de ser puxadas; outras ainda, são como pipas ou papagaios que voam, mas precisam de uma linha para não voar para longe; há porém aquelas que são como bons relógios, de ouro puro, pontuais, responsáveis, trabalham em silêncio e produzem um bom trabalho”.

No capítulo 5 de Gálatas, o Apóstolo Paulo está dizendo que se o Espírito Santo habita em nós, não teremos de ser puxados nem empurrados, nem mantidos amarrados numa linha; funcionaremos como esse bom relógio, com domínio próprio, responsabilidade e em silêncio, fazendo um bom trabalho.

Encontro Com a Palavra é um estudo escrito pelo Dr. Dick Woodward e narrado na voz do Pastor Edson Bruno.

Comentários

Siga-nos nas Redes Sociais e fique por dentro de todas as novidades...

Cadastre-se gratuitamente nos cursos do Ecncontro Com a Palavra

 

Clique no link abaixo e faça seu cadastro agora mesmo!

Últimos Artigos

A Graça de Dar

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

A Transcendência do Ministro

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

A Transparência do Ministro

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

A Tarefa do Ministro

segunda-feira, 2 de novembro de 2020