Encontro Com a Palavra

Os Romanos Aprisionam Paulo

Pr. Dick Woodward      sábado, 2 de setembro de 2017

Compartilhe esta página com seus amigos

Lemos no capitulo 21 que quando Paulo chegou em Jerusalém, e começou a pregar, a multidão reagiu com grande fúria contra ele. (Atos 21:27)

Eles o teriam espancado até a morte se não fosse a intervenção dos oficiais romanos que o resgataram.

Quando os soldados o levavam para dentro do castelo onde ficaria prisioneiro, Paulo pediu ao comandante que o permitisse falar, pois entendeu que lhe fora dado uma grande oportunidade para pregar o Evangelho.

Esse sermão que está registrado no capítulo seguinte (22) foi diferente daquele do Areópago em Atenas.

Paulo não citou os poetas e filósofos nem usou de linguagem persuasiva de sabedoria humana.

Ele deu o testemunho da sua experiência com Jesus Cristo e os que estavam presentes reagiram unânimes, “...gritaram: "Tira esse homem da face da terra! Ele não merece viver!” (Atos 22:22)

Diante da multidão enfurecida foi ordenado que Paulo fosse levado à fortaleza.

Quando os romanos prendiam alguém, costumavam acorrentar a pessoa num poste e acoitá-la; era uma forma de coação e preparação para o interrogatório.

Quando eles se preparavam para acorrentar Paulo, ele informou os soldados sua condição de cidadão romano e sendo assim não poderia ser açoitado. (v. 29)

Paulo poderia ter tido a mesma atitude em Filipos, quando foi preso e açoitado juntamente com Silas; mas não o fez, talvez porque tenha preferido ver os magistrados pessoalmente.

Nesse último incidente, quando os romanos viram que não poderiam açoitá-lo, colocaram-no na prisão e no dia seguinte decidiram que ele seria julgado diante do chefe dos sacerdotes e do sinédrio.

Aqueles religiosos da multidão que tinham acusado Paulo fariam suas acusações no julgamento.

No capitulo 23 inicia-se uma série de julgamentos que acabou colocando Paulo diante de César.

Paulo, olhando para todos do tribunal, percebeu que parte dos que estavam presentes era composta de fariseus e a outra parte, de saduceus.

Os fariseus eram judeus ortodoxos e os saduceus eram liberais, estes não acreditavam na ressurreição nem no sobrenatural.

Então Paulo, de maneira inteligente, dividiu os participantes do julgamento.

Ele declarou solenemente: “Varões irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseu! No tocante à esperança e à ressurreição dos mortos sou julgado!” (23:6)

Quando Paulo falou em esperança e ressurreição dos mortos, levantou-se uma grande confusão entre os fariseus e os saduceus.

Os fariseus tomaram o partido de Paulo.

Ele sabia que aquele seria um julgamento injusto, por isso tentou tumultuá-lo, como tinha feito em Filipos.

Os soldados tiveram que removê-lo dali e colocá-lo novamente na fortaleza a fim de protegê-lo.

Mais de quarenta desses judeus se reuniram e resolveram fazer um jejum até que Paulo fosse morto.

O plano deles era fazer uma emboscada e matar Paulo quando ele fosse trazido novamente para ser questionado. (v. 12)

Um sobrinho seu, tendo ouvido a respeito dessa conspiração dos judeus, foi até a prisão, fez  Paulo saber e em seguida ao comandante que resolveu livrar-se de Paulo por achar que sua presença só lhe traria problemas.

Ele não sabia o que Paulo tinha feito, tão pouco entendia o que os judeus tinham contra ele, por isso chamou seus centuriões e disse: “Preparem um destacamento de duzentos soldados, setenta cavaleiros e duzentos lanceiros a fim de irem para Cesaréia esta noite, às nove horas da noite.

Providenciem montarias para Paulo, e levem-no em segurança ao governador Félix". (v. 23 e 24)

Não é uma cena interessante?

No meio da escuridão, um judeu cercado de quatrocentos e setenta soldados romanos, sai escoltado de uma fortaleza em Jerusalém pela costa do Mediterrâneo, para Cesaréia, na Palestina.

Paulo Diante do Governador

Quando Paulo chegou em Cesaréia, foi levado diante do governador Felix, que convocou os judeus a formalizarem a acusação que tinham contra Paulo.

Mais uma vez Paulo trouxe um grande sermão. Dessa vez pregou diante do governador e do tribunal e novamente deu o seu testemunho, contou sua experiência com Deus.

Diante de tudo o que Paulo falou, Felix decidiu que não havia razões para Paulo ser considerado um criminoso.

Mas resolveu mantê-lo preso até que fosse decidido o que fazer com aquele prisioneiro diferente. (Atos 24: 22 e 23)

Leias os ultimos capitulos do livro de Atos e sua vida será edificada.

Comece pelo capitulo 21 e leia ate o final do livro e você vai se familiarizar com o autor da metade do Novo Testamento.

Encontro Com a Palavra é um estudo escrito pelo Dr. Dick Woodward e narrado na voz do Pastor Edson Bruno.

Comentários

Siga-nos nas Redes Sociais e fique por dentro de todas as novidades...


Últimos Artigos

O Primeiro Programa de Entrevista

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Hu-hum ou Naum?

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

A Solução Final de Deus

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

O Profeta Político

segunda-feira, 4 de novembro de 2019