Encontro Com a Palavra

Os Sete Espíritos de Deus

Pr. Dick Woodward      quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Compartilhe esta página com seus amigos

No capitulo 11 de Isaias o príncipe dos profetas, profetizou a respeito do Messias e definiu os sete Espíritos de Deus.

Isaías escreveu: “Um ramo surgirá do tronco de Jessé, e das suas raízes brotará um renovo. O Espírito do Senhor repousará sobre ele, o Espírito que dá sabedoria (1) e entendimento (2), o Espírito que traz conselho (3) e poder (4), o Espírito que dá conhecimento (5) e temor (6) do SenhorE ele se inspirará no temor do Senhor. (7)...” (Isaías 11:1-3)

Isaías estava falando que quando o Messias Jesus Cristo viesse, seria a expressão completa de Deus.

João anuncia a profecia de Isaías cumprida com a vinda de Jesus.

Existem sete candeeiros ou candelabros diante do trono no céu, que representam os sete Espíritos de Deus: “Então vi um Cordeiro, que parecia ter estado morto, de pé, no centro do trono, cercado pelos quatro seres viventes e pelos anciãos.

Ele tinha sete chifres e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus enviados a toda a terra.”. (5:6)

Os estudiosos acreditam que na Bíblia os chifres representam poder e os olhos, sabedoria. Portanto, esse Cordeiro que parecia ter sido morto, representa os sete Espíritos de Deus.

E esta representação em sete formas do Espírito de Deus também expressa o poder perfeito e a sabedoria de Deus.

O Espírito do Senhor foi muito importante no ministério de Jesus.

Jesus tinha o Espírito do conhecimento, o que significa que Ele tinha conhecimento perfeito da Palavra de Deus; Ele também tinha o Espírito de entendimento, porque tinha entendimento perfeito da Palavra e da Vontade do Pai.

Jesus tinha o Espírito de sabedoria porque viveu de maneira perfeita, de acordo com a Palavra de Deus, e ensinou como aplicar essa Palavra.

Ele tinha também o Espírito do conselho. Quando Jesus aconselhou aqueles com quem Ele conversava, exerceu o Espírito do conselho.

Quando Jesus compartilhou a Palavra de Deus com o povo e o povo a aplicou em sua vida, o Espírito Santo ungiu aquela Palavra com grande poder.

Foi assim que o Espírito de poder foi manifestado através de Jesus.

O Espírito de adoração era incontestável na vida de Jesus. Isaías declara que o prazer d’Ele estava no Espírito de adoração.

Quando lemos os quatro Evangelhos, aprendemos que quando Jesus não estava ministrando ao povo, Ele estava sozinho, à noite ou de madrugada, orando em adoração a Seu Pai.

Quando lemos os quatro Evangelhos, aprendemos que quando Jesus não estava ministrando ao povo, Ele estava sozinho, à noite ou de madrugada, orando em adoração a Seu Pai.

Uma Porta Aberta Para o Céu

No capítulo 4 versículo primeiro encontra-se o convite que João recebeu através de uma voz de trombeta que soou no céu: “Suba para cá, e lhe mostrarei o que deve acontecer depois dessas coisas”.

Para muitos teólogos este símbolo representa o arrebatamento da igreja.

O apóstolo Paulo escreve que o arrebatamento da igreja será anunciado pelo som de uma trombeta. (I Tessalonicenses 4:16I Coríntios 15:52)

Quando João olha através da porta aberta para o céu, vê um trono que é o símbolo central no céu. Diante desse trono ele vê um mar de vidro.

Na tenda da adoração e no Templo de Salomão havia um lavatório onde o sacerdote se purificava para interceder a Deus em favor do pecador.

A idéia é que todos devemos estar purificados antes de nos aproximarmos do Deus Santo.

Os sacerdotes repetiam esse ato de purificação cada vez que intercediam por um pecador.

No mar de vidro que está diante do trono, a água está solidificada como cristal, representando uma purificação permanente e eterna.

No capítulo 5 lemos sobre um livro selado com sete selos e todos no céu tentando encontrar alguém que quebre os selos e abra o livro.

Ninguém está disposto nem qualificado para abrir esse livro.

Esta simbologia nos remete ao Livro de Rute e ao conceito do redentor.

Quando um homem como Boaz queria redimir uma mulher como Rute, tinha de pagar todas as suas dívidas listadas em um rolo.

Ele só podia quebrar os selos e ver quais eram as dívidas contidas no rolo, depois que tivesse mostrado suas qualificações e declarado sua intenção de redimi-la.

A mensagem desta cena é que existe uma multidão que precisa de redenção, mas não há ninguém qualificado nem disposto a ser seu redentor.

João chora porque não há nenhum redentor. Aí então, vêm as boas novas: “Não chore! Eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos”. (5:5)

O significado deste simbolismo é que Jesus é qualificado e está disposto a fazer isto. Ele nos redimiu.

Lemos que quando a porta se abre para o céu, vinte e quatro tronos menores estão ao redor do trono que está no céu e nesses tronos menores estão sentados vinte e quatro anciãos.

Esses anciãos representam a liderança do povo de Deus, provavelmente as doze tribos de Israel e os doze apóstolos.

Encontro Com a Palavra é um estudo escrito pelo Dr. Dick Woodward e narrado na voz do Pastor Edson Bruno.

Comentários

Siga-nos nas Redes Sociais e fique por dentro de todas as novidades...


Últimos Artigos

O Primeiro Programa de Entrevista

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Hu-hum ou Naum?

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

A Solução Final de Deus

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

O Profeta Político

segunda-feira, 4 de novembro de 2019